Sobre o dia de não tê-los aqui…

Falo agora como mãe. Egoísta com seus pintinhos, protetora, possessiva. Todas são, umas mais, umas menos. Eu, tenho exercitado a humildade neste sentido, escrevendo, escrevendo… me autoconhecendo, olhando para o fato dos meus filhos não serem meus, mas apenas virem de mim e por um tempo me habitarem efetivamente. Fisicamente. Mesmo que para sempre na…

Continue lendo

Felicidade: grandiosa e frágil

Escrevi outro dia sobre o medo de morrer. Por conta de um papo hipotético e despretensioso com a minha médica quanto a um risco no meu parto. Graças a Deus, para esta fiel, a morte só passou pela minha cabeça e pelas linhas de uma crônica mesmo…. Aí, num domingo destes, às vésperas do nascimento…

Continue lendo

Nomes dados aos bois…

No ambiente das novas famílias foram estabelecidas nomenclaturas para se chamar os integrantes destas e que estão fora do padrão da família tradicional. Falo aqui na madrasta, mãe emprestada ou mãe de coração. Falo, no meu caso prático, do padrasto, pai emprestado ou pai do coração. Dos avós emprestados e tios, aqueles que vieram depois,…

Continue lendo

Sobre a nossa espera… O nosso Chá de bebê.

Joaquim ficou sentado nas minhas pernas, me beijando, me curtindo. Me alcançando presentes, se surpreendendo com o tamanho das roupas da irmã, das fraldas…. Ficou ali, mudando. Fazendo tudo de forma diferente, conformada. Criando seu novo espaço, de filho do meio. Procurou no dia a dia das últimas semanas as vantagens de ser promovido a…

Continue lendo

Segundo Natal…

No ano de 2017 vivi o meu segundo Natal sem a presença física dos meus filhos. Desde o meu processo de divórcio, esta é uma realidade nas nossas vidas. Na minha e na do pai deles. Na vida das nossas famílias e nas festas de final de ano. Quando vez os temos, vez convivemos com…

Continue lendo

Cabelos crespos…

Um dia desses, escovando o meu cabelo no salão de uma amiga de longa data da minha família, falávamos sobre o tamanho impacto do que nós pais e mães declaramos em alto e bom tom aos nossos filhos, nas cenas do dia a dia. Seja verbalmente, seja nas outras tantas linguagens do corpo, do olhar,…

Continue lendo

O tempo, ah o tempo…

Tenho uma admiração honesta pelo tempo. Desde sempre. Talvez porque sou uma pessoa bastante sensível, que guardou durante a vida todos os momentos no coração. Nas lembranças. Momentos pequenos e grandes. Desde refeições em família, conversas entre primos e beijos de boa noite, até as vezes nas quais vivi sofrimentos, como o medo da morte…

Continue lendo