A rapadura é doce, mas não é mole…

Não sou psicóloga nem neurologista, mas posso afirmar que existem áreas no cérebro que apagam as experiências de exaustão com os filhos, logo que elas passam. Algo como um aspirador de pó talvez, que suga os estilhaços das fazes mais difíceis, não deixando qualquer pista. Assim, a gente esquece. E se alguém contar o quanto…

Continue lendo

“Polimãe”

Assim como monossílabas, dissílabas, trissílabas e polissílabas determinam palavras de uma, duas, três ou “mais de três“ sílabas, trago, por conta de um sentimento diferente e estranho para mim, definição parecida para as qualidades de mãe. Mãe de um, de dois, ou de “mais de dois”, no caso, uma “polimãe”. Vivo neste momento a experiência…

Continue lendo