Por quê dói tanto?

Tenho ouvido de muitas que o divórcio é a morte em vida. Essa frase também é minha. Tamanho estrago que causa, eu sei.  Que ele devasta razão e emoção, pois nem racionalmente se mitiga a dor deste movimento. Que deixa alguns pedaços de pessoas e afetos transformados, minguados pelo desgaste do fim, e espalhados de…

Continue lendo

Vida adulta.

De repente senti dificuldade para algumas coisas. Memória fraca, baixa capacidade de decorar números, senhas, datas de eventos e nomes. Não dormir por conta da rotina do bebê e trabalhar o outro dia todo desde cedo, mais o expediente extra da noite com três crianças, passou a me exaurir. Fui sendo tomada por um cansaço…

Continue lendo

De olhos bem abertos…

Em que ponto eu passei a prestar atenção em tudo? A amar de olhos abertos? Atenta a brisa, a um olhar caído, a agitação exacerbada de um, a mancha do olho do outro? À ansiedade, atrapalhação, hostilidade ou muita amorosidade de qualquer ser na minha casa, na minha vida? Não sei dizer o que aconteceu…

Continue lendo

Sobre uma bicicleta amarela

Joana e Joaquim com o pai, Antonella dormindo com a sua fadinha, que a cuida como uma boneca de porcelana, e de repente, a oportunidade de passear por aí, de mãos dadas, na praia, surgiu a nossa frente. Assim como mágica. Assim, levinho, sem compromisso. Assim, como muitas vezes fizemos quando éramos dois. Ali, exaustos,…

Continue lendo

Amar de novo? Uma história de amor…

Me perguntou outro dia, uma seguidora do projeto, como eu encontrei o amor de novo. Como fazer acontecer o recomeço afetivo de verdade, este que acontece muitas vezes na estrutura da nova família, e quem sabe até com celebração e frutos, como aconteceu aqui. Este questionamento veio a mim há algum tempo, e se fez…

Continue lendo