A rapadura é doce, mas não é mole…

Não sou psicóloga nem neurologista, mas posso afirmar que existem áreas no cérebro que apagam as experiências de exaustão com os filhos, logo que elas passam. Algo como um aspirador de pó talvez, que suga os estilhaços das fazes mais difíceis, não deixando qualquer pista. Assim, a gente esquece. E se alguém contar o quanto…

Continue lendo

Um corpo tatuado? Sim, temos. Dentro e fora.

No decorrer da vida tive o privilégio de viver diversas experiência importantes para o meu crescimento, para o meu autoconhecimento. Rupturas e mudanças de rotas que me edificaram e à minha história. Que não é nem boa, nem ruim, mas me trouxe à pessoa que sou hoje. Que construiu o que para mim é valor….

Continue lendo

Irmãos: ter ou não ter?

Ter irmãos é daquelas situações da vida que não importa o que você faça, serás um igual. Nada pode ser mais cristão. Perante Deus, todos são filhos. Não é assim? Pois por mais que você faça, por mais que o cenário te provoque a uma natural competição quase que o tempo todo, por te colocar…

Continue lendo

Pais e filhos: amor e seus fluxos…

O amor propõe caminhos diferentes às pessoas. Tem diferentes pesos e valores para cada indivíduo. E uma noite dessas, enquanto amamentava, me deu um estalo. No amor de família, especificamente entre pais e filhos, percebi uma diferença nada sútil entre este fluxo. Entre o que sentem pais pelos filhos, e o que sentem os filhos…

Continue lendo

Sobre túneis e adoecimentos.

Existem coisas que me encantam e me assustam ao mesmo tempo na vida. Me encantam pela capacidade mágica de se parecerem diferentes a cada ângulo. De, conforme a posição que você senta para encara-las, parecerem certas de um jeito, ora parecerem erradas, ora parecerem de outro jeito completamente diferente. Por serem em alguns momentos exigentes,…

Continue lendo

Relacionamento e os seus momentos…

Nos relacionamos com tudo e com todos. Essa é a vida dos seres humanos. Em todos os seus ambientes, em todas as faces do seu caleidoscópio. E imaginem que em cada uma dessas faces, somos uma parte do mesmo ser. Somos um comportamento, temos um momento. Como não é de hoje que lanço um olhar…

Continue lendo

“Polimãe”

Assim como monossílabas, dissílabas, trissílabas e polissílabas determinam palavras de uma, duas, três ou “mais de três“ sílabas, trago, por conta de um sentimento diferente e estranho para mim, definição parecida para as qualidades de mãe. Mãe de um, de dois, ou de “mais de dois”, no caso, uma “polimãe”. Vivo neste momento a experiência…

Continue lendo

Pai em dose dupla:)

Em uma quinta-feira dessas, zapeando pela tv a cabo, chegamos por acaso no filme “Pai em dose dupla”. Estava passando no telecine e eu e as crianças ainda tínhamos quase duas horas juntos antes da hora de dormir. Uma mulher no nono mês de gravidez, adora uma tv, principalmente no final de noite com os…

Continue lendo