Eles sabem…

Vou falar de uma coisa louca. Do improvável reconhecimento dos filhos sobre as coisas que fazemos por eles. Sabe o que é mais legal de escrever genuinamente? Sem revisor de texto, editor chefe ou orientações de terceiros? É que eu vou vivendo a vida, aberta, e, de repente, mudo de opinião e saio do lugar…

Continue lendo

Minha paixão por bilhetes

Sou do tempo dos bilhetes. Tenho lembranças do meu prazer em recebê-los desde a minha infância. Dos recadinhos que a minha mãe deixava com as ordens do dia para mim e para as minhas irmãs, com tempo de televisão autorizado, horário de temas e de vestir os uniformes da escola. Lembro também do afeto escrito…

Continue lendo

Chegadas e partidas…

Me dei conta que eles levam um tempo para voltar. Que eles chegam, mas não chegam. Por alguns minutos, ou horas, ficam estranhos no ninho. Nesse nosso, tão deles quanto meu, da irmã bebê e do pai do coração. Não acompanharam as últimas da família, a mudança de lugar da cadeira da sala, o arroz…

Continue lendo

DOR: Um abismo ou um degrau?

Agendei a colocação de um DIU para sexta-feira da semana passada, desavisadamente. Tem um tempo que quase tudo na minha vida virou tarefa de agenda, única forma que arrumei de organizar o meu dia a dia com tantas demandas. É casa, filhos, amor de qualidade, meus projetos e trabalhos, eu… que enfim, vivo na companhia…

Continue lendo

O medo, que ela tirou debaixo da cama.

Chegamos em casa aquele dia com o semblante sério, escuro. Vínhamos no carro resolvendo algumas questões desafiadoras daquele nosso momento, eu e o meu marido, o meu amor. Tratávamos da minha virada profissional e, naturalmente, do “gap” financeiro em tempos de três filhos pequenos, necessidade de babá e serviço doméstico, simultâneos, para eu poder trabalhar,…

Continue lendo