Cuida da sua vida!

Calma, não estou usando de agressividade ou sendo pejorativa. Este foi o tema da catequese da minha filha Joana, encomendado no último encontro. A orientadora pediu para buscarem, junto com a família, uma notícia de alguém que cuidou da sua vida. De alguém que foi carinhoso e generoso consigo mesmo, cuidando de si, da sua história aqui. Do seu ambiente, do seu corpo, do seu espírito. E ela chegou em casa dizendo que eu seria o tema dela.

Que surpresa. Olhei para ela sem entender o caminho que ela tinha feito para concluir que eu poderia ser o que a professora estava buscando de exemplo neste trabalho. Então a questionei sobre o que é “cuidar da sua vida” para ela. E ela me respondeu simplesmente… Docemente, sob o seu olhar: cuidar da sua vida é fazer dela algo bom, independentemente de coisas difíceis acontecerem. É fazê-la melhor e melhor. É não desistir de si.

Então eu entendi, estarrecida. Era disso que o tema se tratava. Profundamente, do cuidar da vida. E para ela, eu virei referência, pois para ela, eu cuidei da minha.

Levando em consideração este ser um tema positivo da catequese, e considerando seus olhos verde ardósia me olhando com emoção ao concluírem que eu posso ser uma boa referência, entendi que tudo o que eu fiz com a minha vida foi bacana na concepção dela. E consequentemente meu pensamento me levou ao entendimento de que as minhas ações não foram ruins para ela, e, quem sabe, foram até boas.

Isso tudo ficou na minha cabeça enquanto eu olhava ela, e ela me olhava. Acho que ali ela procurava em mim a história para escrever. E assim ficou. Me mirando profundamente, enquanto eu, me sentia um livro aberto. E com uma satisfação incrível.

Quer coisa melhor do que receber, despretensiosamente e nas entrelinhas, a informação de que tudo que de difícil se passou na sua história de família, e que culminou na saída do pai dos seus filhos de casa e a natural construção de um novo modelo de vida, representou um cuidado positivo pelo olhar de um filho? Pensa no resto de culpa minha se esvaindo pelo ralo que se abriu ali na nossa frente… Você tem ideia?

Tenho certeza que sim, pois a busca pela felicidade ainda gera culpa.

Pois bem. Aconteceu hoje pela manhã. Dia quinze de maio de 2019, quase quatro anos e meio depois do meu divórcio do pai deles. E ali, no sofá, ela me disse que eu cuidei da minha vida como deve ser. Ufa, que alívio. Vivi por anos validando meus passos e as minhas escolhas a partir da minha consideração constante a eles para nunca ser egoísta e injusta. Muito ouvi por aí que o meu movimento causaria danos irreversíveis aos meus pequenos. Que foi egoísta, que cuidou só de mim e da minha vida afetiva. E por esse tanto de opiniões amorais que ouvi, precisei nessa jornada validar meu propósito, meu cuidado comigo e com eles, o tempo todo. Revisitando passos, repensando, arquitetando a melhor forma de fazer. Sempre cuidando das vidas que havia ali.

Cuidar da sua vida é se levar em consideração na sua essência. O que me faz feliz não é necessariamente o mesmo que faz você feliz, afinal. Cada um tem a sua vida. Própria. Com o seu propósito. Com o seu combustível peculiar. Com realizações e sentimentos distintos frente às situações, aos desafios, e que por isso, demandam de cuidados diferentes. E neste caminho, acredito que se cuidar é cuidar do outro.

É simples. Como é a vida, na verdade. Se ouvirmos a voz que fala dentro da gente, viveremos a nossa essência e o nosso cuidado, sem inflamações. Se em paz, vivendo a sua verdade e em estado de plenitude, estamos exercendo nossa potencia total. Nossa capacidade de abrigar aos outros, de cuidar, de acolher, mesmo suas limitações.

Porém o que vivemos é um mundo onde a validação que deveria ser própria, vem de fora. De alguém que nem lhe conhece, não sabe nada da sua essência, e lhe julga pela mãe que és, pela mulher, pela postura, pelo volume da sua voz, pelas decisões de vida que tomas, e que, não estranhamente, são para a sua própria. Como pode? Com que direito? Com nenhum. E esse julgamento só se torna doloso quando permitido por nós, quando o recebemos e o legitimamos.

Pois bem, vamos falar de cuidar da sua vida? Já percebeu que “o homem que está em paz não quer guerra com ninguém?”. Como dizia o cantor e compositor Charlie Brown Junior com muita sapiência e sensibilidade, nós precisamos encontrar a paz na gente para assim não fazer o mal. Não ferir realmente quem está do nosso lado, a nossa volta, principalmente a quem amamos.

E ouvir de uma filha linda do meu divórcio, que eu cuidei da minha vida como uma coisa boa para a referência dela, e consequentemente para nós como mãe e filha, me dá uma tranquilidade sobre as minhas crenças quanto ao lido com o fim de ciclos, com as dificuldades do caminho, com as dores, construindo delas a felicidade no depois. Acolhendo o que não vai bem e transformando realidades. Sobre o quanto precisamos estar conectados a quem realmente somos, aos nossos afetos e à nossa essência, respeitando-os acima de tudo. Ou não estaremos em paz. Não estaremos em equilíbrio na gente. Estaremos nos desrespeitando, e quando há mentira dentro, há mentira fora. Quando há sombras dentro, assim estará fora. Quando a infelicidade está no coração, assim ela estará no nosso lar, no nosso mundo.

Nesse ciclo não podemos cuidar de ninguém. Quem não se cuida é incapaz de cuidar do outro.

Essa semana perdi, por conta da minha rotina ainda meio maluca com as crianças à noite, uma palestra com a viúva do Mandela, Graça Machel, no evento Fronteiras do Pensamento. Mas soube por uma amiga presente, das pérolas ditas por essa mulher poderosa e tão simples, a qual também construiu sua nova família, já que o Nelson Mandela foi seu segundo casamento, após o seu primeiro, com o presidente de Moçambique. E algumas falas me chamaram a atenção por se tratarem de cuidado. Consigo e com a vida. E um deles, na fala dela, acontece quando não nos conformamos com o que está ruim. Foi por não se conformar que os seus dois maridos se tornaram grandes homens, patrimônios mundiais. Foi na escuta em si e no outro, igual, que descobriram as dores do mundo no qual viviam. Foi como vítima de injustiças, que descobriram sua verdadeira essência e assim, exercitaram o levantar e o perdão. E deste patamar, cuidaram de tantos e tantos…

Então gostaria de propor a você que reflita sobre quem você é e o que realmente lhe faz feliz. Que escute a voz que vem de dentro de você e a acolha como maior conselheiro. Que reconheça que o seu prazer é só seu, e que reverencia-lo e respeita-lo é um ato de amor e cuidado consigo mesmo. Que a mãe que é feliz estando integralmente entregue aos cuidados dos filhos não é melhor do que a mãe que tem prazer na sua realização profissional e dedica aos filhos poucas horas mas preciosas e felizes. Em paz. Que a comparação é a melhor amiga da frustração, além de incompetente, já que ninguém é igual a ninguém. Que estar inteiro, vivendo a sua vida como lhe faz bem, deve lhe bastar.

E que se estiveres completo, estarás cuidando da sua vida. Da que recebeste de presente. E naturalmente serás capaz de cuidar das pessoas mais importantes da sua história aqui. E quem sabe, em uma manhã qualquer, ouvir deles, dos objetos do seu amor,  que você está fazendo o seu trabalho bem feito. Que vê-lo feliz os faz feliz. Então estarás sendo uma boa mãe, um bom pai.

Estarás cuidando da sua vida. Dessa única que você tem, pelo menos nesse contexto. E assim sendo parte de um movimento gigante de construção de um mundo melhor. De respeito à felicidade do outro. Que é dele, do jeito que é, e diferente da sua. Simples assim:)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *